Estrias Pós-Parto

 

Existem mulheres que adquirem algum brilho, quando estão grávidas. A sua pele é clara, o cabelo brilhante e, em geral, ficam mais bonitas com o passar dos meses. E depois existem os restantes 90% da população feminina.

Apesar de toda a magia que uma gravidez pode significar, poucas mulheres ficarão satisfeitas com as suas virtuosidades cosméticas. O aumento de peso e a descoloração da pele são somente algumas das consequências. No pós-parto, muitas mulheres sofrem de outras desvantagens, como a queda de cabelo e, potencialmente, a pior desvantagem de nível estético, nomeadamente, as estrias.

As estrias surgem em cerca de 50% das gravidezes. Geralmente, aparecem na barriga no terceiro trimestre ou nas primeiras semanas após o parto, mas também pode eclodir noutros sítios do corpo, como os seios; em todo o sítio onde haja concentrações pesadas de células gordas.

As estrias resultam do excessivo estiramento da pele. À maneira que a barriga cresce para acomodar um bebé, a pele também tem de crescer. A pele é razoavelmente elástica, contudo, durante a gravidez bem como durante a adolescência e qualquer outra fase de grande aumento de peso, a pele pode ter de crescer muito e de forma rápida. O resultado é um rasgo na derme, o meio das três camadas de pele. As estruturas de tecido na derme são separadas, quebrando laços de colagénio, essenciais para a regeneração da pele. Em consequência, surgem linhas/cicatrizes rosa, vermelhas ou roxas.

O termo cicatriz implica permanência, por isso, para que existem os produtos para estrias? É possível fazer algo em relação às estrias?

 

 

Como Minimizar as Estrias Pós-Parto

 

Embora não seja fácil prevenir as estrias, existem formas eficientes de as remover ou, pelo menos, minimizar substancialmente as mesmas, especialmente se estiver disponível para ter um tratamento cirúrgico.

Se a cirurgia não é bem o que procura, mas sim somente um melhoramente, em detrimento de uma cura, existe outras formas de tratamento. O procedimento menos invasivo é a aplicação tópica, como os cremes específicos para tratamento de estrias. Produtos exfoliantes, como os à base de tretinoína, ajudam a remover a camada superior das células da pele para estimular a formação de nova pele, o que pemite reduzir as estrias. Contudo, os tratamentos menos invasivos, podem ser menos eficientes, mas dependem de cada caso.

Para resultados mais significativos dos que obtidos com os tratamentos tópicos, mas mesmo assim sem envolver cortes, a terapia com laser é também uma opção. Um dermatologista ou outro médico utiliza a luz do laser, para essencialmente queimar a pele cicatrizada e, deste modo, provocar o crescimento de pele nova no seu lugar. Isto irá definitivamente reduzir a aparência das marcas e é menos traumático do que a cirúrgia, pelo que tem também um tempo de recuperação menor. Contudo, não produz milagres.

Por um milagre estético - ou o mais próximo que você pode chegar a tal coisa - provavelmente vai ter que suportar o bisturi. Neste procedimento, o cirurgião remove a pele da barriga abaixo do umbigo cicatrizado, basicamente dobrando a barriga. Ele literalmente se livra das estrias. O procedimento tem desvantagens, no entanto. É muito invasivo, por isso requer um longo período de recuperação desconfortável - não é o ideal para uma nova mãe com um bebê exigente. É também muito caro, além de que a cirurgia estética não é coberta normalmente pelo seguro. A terapia a laser, embora menos dispendiosa, também não é coberta por seguros.

Em suma, a não ser que as estrias sejam severas ou que você tenha pouca tolerância para a imperfeição, pode poupar dinheiro se esperar que o tempo produza efeitos, pois as estrias desaparecem de forma significativa com o tempo. No espaço de um ano, ou mesmo menos, as estrias passam a ter uma cor mais leve, quase branca, geralmente um pouco mais clara do que a sua pele normal. Ainda estarão lá, mas você provavelmente não irá notar tanto a presença das mesmas.